Sexta-feira, 7 de Janeiro de 2011

Dizendo adeus às festas de Natal

ADESTE FIDELES

José J. Peralta http://musicadalusofonia.blogs.sapo.pt/15462.html

 

Adeste fideles é um dos hinos de Natal mais cantados, nos grandes templos cristãos e católicos do mundo inteiro.

Até um passado recente, desde o século XVII, este hino  era conhecido, na Inglaterra e nos Estados Unidos, como “Hino Português” “The Portuguese Hymn”.

 

Adeste fideles era um dos hinos favoritos, regularmente cantados  no Natal da Capela da Embaixada Portuguesa, em Londres, nos séculos XVII e XVIII,  no tempo da intolerante repressão protestante.

 

Os livros, são quase unânimes em registrar o Adeste Fideles como Hino Português.

 

A autoria é atribuída, por alguns, ao rei português D. João IV, o rei músico, cuja capela do Palácio Ducal de Vila Viçosa era um grande e célebre reduto de arte musical, no século XVII.

 

Entre as composições muito conhecidas de D. João IV contam-se a “Crux fidelis”, que pode ser conferida no

http://www.youtube.com/watch?v=7XZ3DLz8zEY

 

A Embaixada portuguesa, em Londres, também ficou célebre “pela excelência das músicas usadas nas cerimônias litúrgicas”

 

O Adeste fideles tornou-se popular também nas Igrejas anglicanas, onde se tornou conhecido também como “The Portuguese Hymn”, apontando a sua origem.

 

A autoria da melodia, jamais será conhecida com certeza. Mas não há dúvida de sua origem portuguesa.

 

De modo geral, até recentemente, era registrado como canto popular português.

 

Esta é, certamente, a única maneira correta de registrar a origem de tão bela quão célebre melodia e letra.

 

Por questões políticas e hegemônicas, hoje muitos registram Adeste fideles, como sendo de autoria anônima, simplesmente, tentando desviar a atenção da autoria portuguesa, até porque não há outra alternativa possível. Anônima, sim, mas não apátrida.

 

O ritmo de Adeste fideles é claramente de origem portuguesa.

 

Pela delicadeza e leveza da melodia, assemelha-se  ao ritmo popular da ciranda, além de outras modalidades populares de Portugal, hoje tradicionais, em todos os Povos Lusófonos.

 

Concluindo, podemos dizer que, com tão leve e sugestiva melodia, Portugal ofereceu ao mundo o Hino Universal do Natal.

 

É um belo troféu de que os portugueses, podem se honrar, e é um estímulo para a sua reconhecida criatividade para aprenderem que seus patrícios são capazes de  produzir grandes e belas obras, ainda em nossos dias.

 

 

O Adeste fideles canta um Natal compartilhado e universal. É um convite a todos (Vinde, correi) para a confraternização universal do Natal, sem discriminação de raça, credo ou posição social. Tal como ocorre no bodo do Divino, nos Açores.

 

Adeste fideles canta os genuínos valores do Natal cristão, com toda a simplicidade, como convém  à mais bela celebração da cristandade, talvez da humanidade, para quem sabe sentir a força que dela irradia. Canta a simplicidade, a confraternização popular, a alegria compartilhada, o sentido imanente do Divino, a superação dos antagonismos de classes sociais, aqui solidárias.

 

O Espírito do Natal perpassa a vida social, no Adeste Fideles. O destaque dado hoje à Celebração do Natal foi sendo imposto pela tradição popular, que aos poucos se impôs à hierarquia.  O Natal foi  conquista popular. Nasceu do povo. Daí o ritmo do canto popular de roda, de ciranda, simples, alegre e movimentado que caracteriza o Adeste fideles. Por isto pode ser acompanhado por instrumentos simples. O Adeste Fidelis dá realce ao espírito do Natal, integrando-se na Comunidade.

 

 

ADESTE FIDELES

Canto popular português

 

Adeste, fideles, laeti triumphantes.

Venite, venite in Bethlehem.

Natum videte, Regem Angelorum

 

Venite, adoremus; venite adoremus.

Venite, adoremus Dominum.

 

 

ADESTE FIDELES

[Correi ó Fiéis]

Correi, ó fiéis, correi,

Ágeis, Exultantes!

Oh! Vinde, vamos até Belém.

Vede o Menino, em palhas deitado.

 

Oh! Vinde ,adoremos! Oh! Vinde, adoremos!

Oh! Vinde, adoremos o Senhor!

 

(Tradução: JPeralta)

 

MAIS:

http://www.google.pt/search?source=ig&hl=pt-PT&rlz=&=&q=adeste+fideles&btnG=Pesquisa+do+Google&aq=f&oq=


sentimo-nos: fiéis
música: de Natal
publicado por jnc às 15:20
ligação da entrada | Comentem | Adicionem aos favoritos
|

.Que horas são?

.Rádio Olivença

.Procurem neste blogue

 

contador de visitas blog

.entradas recentes

. "Mais línguas, mais intel...

. Dicionário estremenho a s...

. Mais capital, menos língu...

. A fala dos Três Lugares e...

. Eduardo Machado (Além Gua...

. Reportagem em revista fra...

. A "fala" de Cáceres: exem...

. Clube de leitura em portu...

. Português oliventino (201...

. "Viagem pela Raia" (Públi...

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Palavras-chave

. todas as tags

.ligações

Pesquisa no e-Estraviz

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Que horas são?

blogs SAPO

.Participem

. Participem neste blogue

.Subscrever fontes