Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2013

Goa e Diu, a Índia sossegada

Caffe Reggio

Goa y Diu, la India ‘sossegada’, de Jordi Joan Baños en La Vanguardia

La blancura de las iglesias entre las palmeras revela que se ha llegado a Goa aun antes de aterrizar. Todo el territorio de este pequeño estado indio está salpicado de pedazos de Portugal, testimonio de cuatro siglos y medio de dominio luso. Aunque India acaba de celebrar sesenta años de independencia, en el caso de Goa el colonialismo se prolongó hasta las Navidades de 1961, cuando Nehru perdió la paciencia y envió al ejército. El dictador Salazar, que nunca salió de Portugal, había advertido que sólo quería ‘militares victoriosos o muertos’, pero el gobernador de la plaza tuvo el buen sentido de ofrecer la rendición de sus 3.500 soldados, frente a una fuerza india de 40.000 hombres.

Los portugueses, que fueron los últimos en salir de India – con un retraso de siete años respecto a los franceses en Pondicherry y catorce respecto a los británicos del Raj-, habían sido también los primeros en llegar, un siglo antes que los holandeses y siglo y medio antes que los ingleses. Vasco da Gama amarró en Calicut, en la costa Malabar, en 1498, descubriendo así la ruta marítima de Europa a las Indias que Colón buscaba con el mismo afán pero en sentido contrario. Vasco de Gama planearía pocos años después, en la cercana Cochín – donde habría de morir- la toma de Goa con Magallanes y Afonso de Albuquerque.

Aunque el primer encuentro europeo con India fuera ibérico – Goa formó parte de la corona española de 1580 a 1640, como el resto de Portugal-, los ingleses terminarían apropiándose de todos los laureles. Aunque Portugal llegó a contar con una docena de posesiones en India, el dominio ininterrumpido se reduce a Goa, Diu y Damán, siendo el primer enclave el más importante.

Para sucesivos papas y reyes de Portugal, Goa estaba destinada a ser la Roma de Oriente, que cristianizaría Asia. De su imponente fracaso han quedado, como naves varadas en medio de la nada, la catedral y media docena de templos católicos en Velha Goa, la antigua capital desmoronada por la peste. Como la basílica de Bom Jesús, que alberga el cuerpo incorrupto de san Francisco Javier. En su claustro, el cura afirma hablar ‘pouco, pouco’ portugués, que en realidad significa nada de nada. Y, sin embargo, un paseo por los deliciosos barrios históricos de Fontainhas o São Tomé, en la actual capital, Panjim, reserva conversaciones en portugués para el viajero paciente. Para empezar, con la mitad de los patrones de pensiones. La propietaria del hostal Afonso, mestiza, en un portugués impecable explica que su hijo ha estudiado en el Instituto Camões y luego en Lisboa, aunque ‘gostou mais de Paris’. ‘Agora não há muitos fregueses’, admite el amo de otra fonda, aludiendo a la temporada baja, a causa de los monzones.

Aunque la precipitación no sea moneda corriente en Goa, algo tenía que quedar de la pachorra portuguesa, por lo que debe de ser uno de los pocos lugares de India donde los restaurantes pueden negarte el desayuno antes de las nueve, o el almuerzo después de las tres. Horarios de Lisboa. Del mismo modo, muchas mujeres, de todas las edades, visten falda y blusa, en lugar de sari. Y las necrológicas de los periódicos conservan la tétrica costumbre portuguesa de llevar la foto del difunto, de nombre inconfundiblemente luso: José Fernandes, Maria de Souza, Joaquim Noronha. Y aunque del cafezinho portugués no queda ni rastro, en ningún otro lugar de India se come un pescado tan deliciosamente guisado como en Goa, en restaurantes como Viva Panjim. Si le apetece, regado con vino de oporto, nativo o de importación. O con vindaló, la salsa goesa universal, mestizaje culinario de Portugal e India – como de hecho lo es el mismo curry-. Porque los portugueses se llevaron el cilantro e innumerables especias, pero les trajeron la guindilla.

En cualquier caso, el avance del inglés – oficial en toda India y reforzado por el pujante turismo- es imparable. Aunque el principal diario se sigue llamando OHeraldo,las dos os están disimuladas de forma que pueda leerse Herald,ya que sustituyó el portugués por el inglés en 1983. Aunque la lengua propia de Goa es el concaní, oficial desde hace quince años. Las iglesias encaladas que coronan Diu se asemejan a un Alentejo trasplantado. Unos cientos de kilómetros al norte de Diu se encuentra la ciudad fortificada de Damão, en la que el poeta Bocage tuvo casa, y aún más al norte, frente a la costa de Gujarat, la encantadora isla de Diu.

Allí, en el llamado barrio de los extranjeros, la portugalidade ambiental es incluso superior a la de Goa. ‘Uma garrafa de agua’, nos arriesgamos a pedirle a una señora de 60 años, que responde en portugués con toda naturalidad, ya que, según vemos luego, es también el idioma que emplea con su hermana. Luego sorprendemos al hombre que alquila motocicletas viendo la televisión portuguesa internacional. ‘Me llamo Dinesh, no Dinis’, precisa, mientras se atusa el impecable bigote blanco y exhibe su pasaporte portugués. Al que muchos otros goeses aspiran, aun sin saber ni palabra de la lengua de Camões, más allá de sossegado,convertida en lema turístico. En realidad, desde que Goa accedió a la categoría de Estado, hace veinte años, Damão y Diu quedaron desvinculadas de ella, pasando a ser administradas directamente desde Nueva Delhi y en inglés.

 

http://www.caffereggio.es/2007/09/01/goa-y-diu-india-sossegada-jordi-joan-banos-la/

sentimo-nos: sossegados
música: sossegada
publicado por jnc às 18:39
ligação da entrada | Comentem | Adicionem aos favoritos
|
7 comentários:
De olivencalivre a 18 de Janeiro de 2013 às 23:08
REV. MOTORCYCLE CULTURE, Jan. Fev. 2013 BIMESTRAL,, #13 4,5€/"Olivença é nossa" (páginas 40, 41, 42, 43, 44, 45, 46, 47)(PARTE 1 DE 3)
Rua Cintura do Porto, Lote A, 1.º B 1950-326-LISBOA// tlf. 00351-218650244//Assinaturas e edições atrasadas: Maria João Nobre; assinaturas@fast-lane.pt

OLIVENÇA É NOSSA
(fotografia de duas páginas com uma mota a sair da Porta do Calvário)
Há um local na raia alentejana que não tem a fronteira marcada no mapa. A "questão de Olivença" é uma ferida em aberto na relação entre os dois países e apenas mais um episódio na, nem sempre fácil, relação entre Portugal e Castela

Palavras: VÍTOR SOUSA Imagem:LUÍS DUARTE
(três fotografias (escudo da Porta do Calvário, tabuleiro da Ponte da Ajuda, Placa da Rua Vasco De Gama/Rua Vasco da Gama [bilingue]), com uma legenda:"As armas de Portugal encimam a Porta do Calvário na velha muralha da Praça forte. Testemunha de um passado em aberto ainda presente na toponímia das ruas e nas ruínas da Ponte da Ajuda)
(uma outra fotografia , tirada de dento do Largo da Igreja de Santa Maria do Castelo, mostrando a Rua dos Poiais e a Porta do Duque de Cadaval)

Um dia de inverno, frio e com um sol a pino, leva-nos rumo ao sul, Alentejo adentro, aspirando os aromas da terra fresca. Seguimos aos comandos da mais recente versão, há pouco lançada, da Yamaha FJR 1300. A moto que a marca japonesa apresentou no início dos anos 2000 e que só agora decidiu renovar. Uma turística veloz, de forte inspiração na tecnologia das suas irmãs mais desportivas, como a R1, mas também legítima herdeira de uma linhagem com "pedigree" de devoradora de quilómetros. As FJ nasceram para a estrada. A principal diferença para a moto rápida de turismo que já conhecíamos na versão anterior tem a ver com a eletrónica e o aumento de funções, leituras e conforto correspondente, que a mesma permite. Também, com a melhor gestão do rendimento do motor, agora disponível em modos Touring ou Sport consoante o desejo do seu condutor. Melhor economia, consumos contidos sempre que o aviso "eco" está presente. Melhor conforto, ajudado pelo vidro de regulação elétrica. Mas uma caixa que continua, incompreensivelmente, a ser apenas de cinco velocidades. De qualquer modo, uma companheira indicada ao tipo de viagem que nos propunhamos fazer. Ir passar a tarde a Olivença, para lá do Guadiana, e vir jantar a casa. (CONTINUA)
De olivencalivre a 18 de Janeiro de 2013 às 23:10
REV. MOTORCYCLE CULTURE, Jan. Fev. 2013 BIMESTRAL,, #13 4,5€/"Olivença é nossa" (páginas 40, 41, 42, 43, 44, 45, 46, 47)(PARTE 2 DE 3)

Rápida, confortável, eficaz. Na auto-estrada, nas nacionais espanholas ou nas reviradas municipais alentejanas, a FJR provou estar à altura do desafio.

UMA REALIDADE A CONHECER
A "questão de Olivença" tem apaixonado alguns estudiosos e patriotas, mas é, ao nível da sociedade, uma "agenda" pacífica, quando não mesmo ignorada. Na verdade, não passa pela cabeça de ninguém estar a reivindicar territórios a um país vizinho que é maior que nós em potencial humano, recursos sociais e arsenal bélico... Não é por isso, é apenas porque, em Portugal, parece que "ninguém" quer saber.

A HISTÓRIA DA POLÉMICA
Olivença, praça fronteiriça portuguesa, foi ocupada pelas tropas franco-espanholas no prelúdio da Guerra Peninsular, sendo anexada pelo Rei de Espanha, conforme ditava o Tratado de Badajoz e de Madrid de 1801 que o Regente D. João (futuro D. João VI), no Brasil, não reconhece. Posteriormente reocupada, se bem que apenas temporariamente, pelas tropas luso-britânicas de Lord Beresford, Olivença é legalmente devolvida a Portugal pela anulação, no Tratado de Paris (1814), dos tratados anteriormente referidos. No ano seguinte, o Congresso de Viena confirma Olivença como parte do território português. Só em 1817 Espanha assinou o Tratado resultante do congresswo vienense mas nunca devolveu, na prática, aquela praça ao mapa português. O problema nunca foi, nos tempos mais recentes, clamente assumido por nenhuma das duas nações, ambas envolvidas profundamente nos seus próprios problemas ao longo do século XX. As ditaduras que assolavam os países ibéricos tinham, no entanto, preocupações distintas. Enquanto Salazar procurava o isolamento do esterior e passar despercebido na cena internacional (o que conseguiu até ao despoletar da Guerra do Ultramar), Franco ditava claramente um regima de mão pesada, na ressaca da Guerra Civil, cortando pela raiz qualquer tentativa de emancipação das diferentes províncias, fossem elas emanações de aspiração autonómica ou simplesmente culturais. Neste quadro, as línguas locais foram claramente abafadas e até reprimidas se preciso fosse. Em Olivença - ou Olivenza - o português que era fluente entre a população foi proibido, a toponímia portuguesa foi substituída e a região foi colonizada por populações deslocalizadas de outros pontos de Espanha para acelerar a aculturação do povoado oliventino.
(fotografia de duas páginas com uma moto numa estrada de Olivença, talvez a ligação Ponte da Ajuda-Olivença)
(outra fotografia com a placa riscada de Olivenza [saída da povoação] e a estrada para a Ponte da Ajuda)
Após d+ecadas de repressão contra a herança cultural e social portuguesa em Olivença, a democracia que chjegou aos dois países trouxe uma reaproximação saudável e pacífica entre as duas partes no que à "questão" diz respeito. Com a população já maioritariamente espanhola (a descendência portuguesa quase se extinguiu nos anos negros do franquismo)[NOTA DE CARLOS LUNA: este dado não está correto; o que sucedeu éque foram castelhanizados muitos apelidos, pelo que PARECEM ser puramente espanhóis!!! FIM DA NOTA DE CARLOS LUNA] e a economia espanhola em grande aceleração, não restam aos naturais de Olivença muitas razões para "ser português". Pouco mais que uma curiosidade histórica que deixou testemunhos arquitetónicos no local. No entanto, como a questão legal se mantém por resolver, os países têm de algum modo diplomaticamente, evitado o problema como se viu ainda recentemente (2000) na inauguração da nova ponte sobre o Guadiana que une as duas margens entre Elvas e OLivenza e onde se furtaram a comparecer entidades oficiais portuguesas pois se o fizessem estariam a reconhecer a soberania espanhola sobre aquela porçaõ de terra.
Já em 2010. o 2Ayuntamiento de Olivenza" recuperou toda a toponímia antiga portuguesa no centro histórico da cidade, onde co-existe com a castelhana, e manteve a típica calçada portuguesa nas zonas pedonais de uma localidade que é, pelo traço e pelo pulsar, muito alentejana. O Português voltou a ser ensinado nas escolas públicas, como língua opcional.
(CONTINUA)
De olivencalivre a 18 de Janeiro de 2013 às 23:12
REV. MOTORCYCLE CULTURE, Jan. Fev. 2013 BIMESTRAL,, #13 4,5€/"Olivença é nossa" (páginas 40, 41, 42, 43, 44, 45, 46, 47)(PARTE 3 DE 3)(CONCLUSÃO)

Os testemunhos arquitetónicos e monumentais são ainda consideráveis e importantes, nomeadamente o Castelo, as Igrejas de Santa Maria do Castelo e Santa Maria Madalena, a Santa Casa da Misericórdia de Olivença, a porta manuelina dos Paços do Concelho, o convento das Clarissas ou de S. João de Deus e as muralhas da praça forte. Conserva-se ainda em muito bom estado a Porta do Calvário. Igualmente interessante será visitar as aldeias históricas, em redor de Olivença, como S. Jorge da Lor, S. Domingos de Gusmão, S. Bento da Contenda e Vila Real.

A PROMESSA DE VOLTAR
(quatro pequenas fotografias com detalhes de uma mota, e a legenda "Revista nos detalhes e no desempenho, a Yamaha FJR mantém, no entanto, a fidelidade aos seus princípios de turística de andamento forte")
À despedida de Olivença, rumamos ao Guadiana, com a sensação de nunca ter saído de território português, olhando para os rostos, para os edifícios, para os retorcidos tyestemunhos manuelinos, apesar da presença do "invasor" castelhano. Aqui não se pode falar de fronteira, porque ela, na verdade, não existe (consultem os mapas). Não podíamos regressar à margem direita do rio grande sem pararmos na Ponte da Ajuda, ou melhor nas suas ruínas. Mandada erguer por D. Manuel em 1510 para agilizar a passaagem de tropas em apoio à fortaleza de Olivença, foi duas vezes destruída, primeiro em 1646, pelo exército espanhol no quadro da Guerra da Restauração, e posteriormente na Guerra da Sucessão espanhola, em 1709. No ano de 1967, o estado Português declarou a Ponte da Ajuda monumento de interesse nacional. Já em 1994, em cimeira luso-espanhola, o governo português recusou uma parceria com o governo espanhol para a construção de uma nova ponte sobre o Guadiana, naquele local, pois seria uma forma de reconhecimento da "anexação" espanhola da margem esquerda do Guadiana. A ponte foi feita, e inaugurada em 2000, apenas com financiamento português. No tabuleiro da velha ponte semi-destruída, ainda do "lado espanhol", contemplamos o caudal, calmo, do rio, o sol a baixar sobre as margens, enquanto refletimos sobre tudo isto. Só então reparamos, aos nossos pés, escrito num grafiti apressado (repete-se três vezes) o slogan: "Olivença é Portugal".
(FIM)
De olivencalivre a 1 de Fevereiro de 2013 às 23:10
Jornal DIÁRIO DO ALENTEJO (Beja/Semanário[não é engano]), 1-Fevereiro de 2013 (ref. a Olivença)

DE UM LADO TERRA, DO OUTRO LADO TERRA (ref a Olivença)

Ruy Ventura, Poeta e ensaísta

Desde que o Homem é Homem (ser pensante com capacidades de conceptualização abstrata) que a água foi erigida enquanto mediador simbólico entre os habitantes animados da Terra.. E entre todos os meios aquáticos que rodeiam e cruzam essa "mão do mundo" que é a Península Ibérica (como referiu, se não estou em erro, Miguel de Unamuno), logo muito cedo o Rio Guadiana - em conjunto com outras artérias que irrigam com o seu sangue a por vezes seca carne hispânica - se constituiu enquanto ponte maternal entre os povos das suas margens ou entre os habitantes do "mare clausum" mediterrânico, os das margens da imensidão atlântica e os do interior da plataforma continental. Só muito mais tarde o grande rio do sul - "Anas", "Odiana" ou "Guadiana", conforme as épocas - foi obrigado a assumir o papel de fronteira entre países que as guerras e as políticas reais e/ou senhoriais dividiram.Não era esse o seu papel. Logo que pôde, inundou as suas margens, submergiu as linhas que só os mapas recordam, diluiu as divisões que separavam os dedos de uma mão que, afinal, com os seus diferentes estatutos e funções, têm como finalidade a reunião (porque só apertada a mão revela toda a sua força).
Tudo isto conheceram sempre os seres humanos que povoaram, ao longo de milénios, as duas margens do Guadiana. No fundo, bem no fundo, os habitantes de Monsaraz, Mourão, Juromenha, Olivença, São Bento da Contenda, Villanueva del Fresno, Cheles, Alconchel ou Villarreal (herdeiros de muitos lugares da Lusitânia romana e visigótica e do reino rebelde de Badajoz) souberam sempre que viviam num território unido pela Cultura e pela Geografia. Os contrabandistas dos dois lados tinham consciência, com Miguel Torga, de que de um e de outro lado havia somente terra, de que numa margem e na outra margem existia apenas gente...
Olivença, por exemplo, mudou de mãos há perto de duzentos anos, com todo o seu território municipal. Na prática, apesar de pontes derrubadas e de línguas mescladas, a fronteira não se transportou, deixou somente de existir. Há mapas que o assinalam...[NOTA DE CARLOS LUNA: o autor parece não saber que a fronteira não é assinalada PROPOSITADAMENTE em mapas oficiais porque Portugal não reconhece Olivença como espanhola; FIM DA NOTA DE CARLOS LUNA] Mudou a administração política de uma parte da província de Entre Tejo e Odiana, mas teriam mudado as pessoas e a sua genealogia familiar e cultural, os edifícios e a sua arquitetura, o relevo e a sua orografia? Estas questões fazem hoje, talvez, pouco sentido, quando estamos nos braços duma União Europeia que acabou com os postos aduaneiros e unificou as trocas comerciais. A língua portuguesa floresce do lado extremenho - e ainda bem. Como escreveu um dia o filósofo Agostinho da Silva, quanto mundo seremos quando um dia soubermos instituir uma Comunidade dos Povos de Língua (SIC) Ibéricas...
O território de Olivença - antigo concelho português que não deixou de o ser, pelo menos na alma, apesar de administrado por representantes de Madrid - está do outro lado do Guadiana, do outro lado do lago artificial chamado barragem do Alqueva. Atravessar as diferentes pontes que reduzem a distância entre as duas margens será sempre encontrar uma identidade material depurada. Em nenhuma outra parcela do território peninsular fará talvez tanto sentido a palavra "saudade". (A viagem tem um poder analgésico. Encontramo-nos na fortaleza de Alconchel, nas muralhas e nas torres oliventinas do castelo templário do tempo do rei trovador D. Dinis, no manuelino da igreja de Santa Maria Madalena, no interior barroco da Misericórdia, feito de talha e azulejos com paralelos noutras partes lusas. Visitar o Museu Etnográfico é compreender que dois séculos fizeram muito pouco pela divisão de povos duplos um do outro. A separação - metaforizada durante muito tempo na derrubada "Ponte da Ajuda" - acentuou a saudade, mas não destruiu a identidade, que dispensa separações artificiais do território.(CONTINUA)
De olivencalivre a 1 de Fevereiro de 2013 às 23:12
Jornal DIÁRIO DO ALENTEJO (Beja/Semanário[não é engano]), 1-Fevereiro de 2013 (ref. a Olivença)

DE UM LADO TERRA, DO OUTRO LADO TERRA (ref a Olivença)(/2.ºParte//CONCLUSÃO)

Ruy Ventura, Poeta e ensaísta

Mais do que visitar mentalmente a memória contida no topónimo "Contienda" - palimpsesto de lutas, de escaramuças. de mortes, de vidas destruídas e sempre reconstruídas - é preciso caminhar em peregrinação até Cheles, onde o fim de mais uma guerra ibérica (a Guerra da Restauração da Independência, que se seguiu à revolta de 1 de Dezembro de 1640 contra o domínio filipino) levou à construção de uma ermida consagrada ao Cristo da Paz, como ato de ação de graças. A paz está agora consolidada - e todos a solidificaremos se nos adentrarmos por um território onde nos veremos sempre, como num espelho múltiplo. Não terá sido, talvez. por acaso que até o martírio cívico de um dos heróis da luta antissalazarista (Humberto Delgado) foi ocorrer precisamente numa dessas terras onde a fronteira nos une, numa pequena parcela do campo que rodeia Villanueva del Fresno [NOTA DE CARLOS LUNA: erro, talvez provocado pela ignorância sobre este tema que se nota em diversos meios, e que talvez o filme em exibição ajude a eliminar! Humberto Delgado foi morto a norte de Olivença, em "Los Almerines", tendo sido atraído a uma armadilha com o "sonho" de que a libertação de Portugal começaria em Olivença. Delgado era membro dos Amigos de Olivença. Já morto, o seu corpo e o da sua secretária foram enterrados sessenta quilómetros ao sul, em V. del Fresno!FIM DA NOTA DE CARLOS LUNA]
Nesta parte da bacia hidrográfica do Guadiana, empresada pelos portugueses para sua subsistência [NOTA DE CARLOS LUNA: por causa da Questão de Olivença, em 1968 a Espanha franquista aceitou que AS DUAS MARGENS DO ALQUEVA fossem reservadas à exploração portuguesa. Convinha não fazer aparecer esta questão, numa época em que Franco reivindicava Gibraltar na O.N.U. FIM DA NOTA DE CARLOS LUNA], a água veio cumprir a sua função primordial de elemento simbólico e material de ligação. Submersas as fronteiras, a barragem parece traduzir materialmente uma palavra árabe pouco lembrada, "aldjusûr". Não apenas açude ("as-sudd") ou ponte ("al-kantarâ"), mas uma síntese das duas, conserva na sua semântica uma metáfora híbrida: se, por um lado, alarga o poder fertilizador das águas, por outro serve de elemento de ligação entre terras e seres. Assim será sempre a viagem entre as duas partes da raia. Fertilizará quem tiver abertura para empreendê-la, para além das estritas necessidades materiais do comércio. Ligará um território humano que no fundo, bem no fundo, nunca deveria ter sido dividido.
FIM
(Nota: o parágrafo em destaque no jornal é o mais errado, ou seja: «Não terá sido, talvez. por acaso que até o martírio cívico de um dos heróis da luta antissalazarista (Humberto Delgado) foi ocorrer precisamente numa dessas terras onde a fronteira nos une, numa pequena parcela do campo que rodeia Villanueva del Fresno »[NOTA DE CARLOS LUNA: erro, talvez provocado pela ignorância sobre este tema que se nota em diversos meios, e que talvez o filme em exibição ajude a eliminar! Humberto Delgado foi morto a norte de Olivença, em "Los Almerines", tendo sido atraído a uma armadilha com o "sonho" de que a libertação de Portugal começaria em Olivença. Delgado era membro dos Amigos de Olivença. Já morto, o seu corpo e o da sua secretária foram enterrados sessenta quilómetros ao sul, em V. del Fresno!FIM DA NOTA DE CARLOS LUNA])
De olivencalivre a 9 de Fevereiro de 2013 às 15:34
(PENSO QUE ISTO MERECE SER "DESTACADO" EM ITEM PRÓPRIO, E NÃO CONSTITUIR APENAS UM COMENTÁRIO!!!))
FUGAS/PÚBLICO, 9 de Fevereiro de 2013)CONHECE A IGREJA DE SANTA MARIA MADALENA?
CONHECE A IGREJA DE SANTA MARIA MADALENA?(FUGAS/PÚBLICO, 9 de Fevereiro de 2013)
(fotografia da fachada da Igreja, trabahada de modo a dar uma visão muito ampla! Parabéns ao fotógrafo!!)

A Igreja de Santa Maria Madalena, erguida por volta de 1520 em Olivença, é uma extraordinária construção manuelina (a segunda neste estilo em importância e dimensão, sendo a primeira, naturalmente, os Jerónimos), muitas vezes esquecida. As suas estruturas arquitetónicas são notáveis. Elementos góticos e mudéjares, bem como renascentistas, saltam à vista.
A Igreja foi construída para ser sede do Bispado de Ceuta, já que uma Catedral desta importância na cidade norte-africana ficaria muito desprotegida, sempre à mercê dos ataques marroquinos. Além disso, Olivença, Campo Maior e Ouguela eram alvo de disputas entre vários bispados, A solução, que beneficiava, e muito, Olivença, foi criar uma unidade administrativa eclesiástica autónoma, com uma estranha conceção de espaço.
O primeiro Bispo foi Frei Henrique de Coimbra, o homem que rezou a primeira missa no Brasil, e cujos restos mortais repousam numa urna de pedra junto ao altar da nave esquerda do templo. Pensa-se que este foi construído em várias etapas alo longo do século XVI. Diogo de Boytaca terá orientado o essencial (a abóboda, o arco triunfal, e as extraordinárias colunas toscanas, que simulam cordas (torsas), e que constituem uma das mais belas e surpreendentes surpresas artísticas do local). Terão sido os irmãos Arruda a cuidar da cobertura do corpo da Igreja. bem como da fachada e de muitos dos seus elementos decorativos.
O interior consiste em três naves de diferentes alturas. São as oito colunas "cordiformes" que separam essas três naves. Os seus capitéis estão decorados com troncos entrelaçados.
Um gigantesco altar de talha dourada ergue-se ao fundo da Igreja. Os elementos decorativos manuelinos são uma constante. No chão de mármore, inúmeras inscrições em português testemunham o local do repouso final de inúmeros oliventinos, com os seus nomes bem portugueses e muito facilmente identificáveis (Lobo, Gama, etc.).
Como materiais, além das madeiras dos retábulos, destacam-se o calcário e os mármores.
Nos finais de 2012. a Igreja da Madalena ganhou um concurso promovido por uma empresa petrolífera espanhola, a Repsol, sendo eleita "el mejor rincón de España" por uma população que se uniu e votou em massa. Não deixa de ser uma curiosidade que uma Igreja tão tipicamente manuelina (portuguesa) tenha ganho este concurso, mas, não se tratando de nada oficial, a contradição fica um pouco atenuada. Nem mesmo o resultado deste insólito concurso levou a que muitos mais portugueses se interessassem (finalmente!) sobre os problemas culturais da região, nomeadamente pela preservação do muito que há de português na região. Um triste sinal dos tempos?
Carlos Eduardo da Cruz Luna
Rua General Humberto Delgado, 22, r/c, 7100-123-ESTREMOZ, 268322697, 939425126, CC 04737795, carlosluna@iol.pt, caedlu@gmail.com.
De olivencalivre a 10 de Fevereiro de 2013 às 17:05
JORNAL DE NOTÍCIAS, 10 de Fevereiro de 2013 (Cartas/ref. Olivença)
CAMINHOS DE PAZ
Foi notícia no jornal inglês "The Guardian", dia 5 de Fevereiro de 2013. O Chanceler da Argentina, Héctor Timerman, de visita a Londres, afirmou que as Malvinas serão argentinas em 20 anos, pois (...) toda a gente já percebeu que as ilhas são um triste resquício de colonialismo. Timerman descartou a hipótese de uma (nova) guerra, pois considera que os meios pacíficos serão suficientes, (...) e prometeu que os interesses dos atuais habitantes seriam protegidos sob administração argentina, nomeadamente (...) o direito de permanecerem cidadãos britânicos".
(...) A aplicação deste princípio pode precipitar a resolução de outros casos semelhantes,(...) como Gibraltar, Olivença, Ceuta, e Melilla, (...). Pode estar aqui um vislumbre de soluções honrosas para todas as partes envolvidas.(...)

Carlos Luna/caedlu@gmail.com

__________________________________________________________________________________________
____________________________TEXTO INTEGRAL ORIGINAL__________________________________________
CAMINHOS PARA A PAZ
Foi notícia no jornal inglês "The Guardian", dia 5 de Fevereiro de 2013. O Chanceler da Argentina, Héctor Timerman, de visita a Londres, afirmou que as Malvinas serão argentinas em 20 anos, pois a Grã-Bretanha está cada vez mais isolada, e toda a gente já percebeu que as ilhas são um triste resquício de colonialismo. Timerman descartou a hipótese de uma (nova) guerra, pois considera que oa meios pacíficos serão suficientes. Lamentou que o Governo de Londres nem sequer admitisse discutir o assunto, lamentando que, nos tempos dos governos ditatoriais em Buenos Aires (que assassinaram pelo menos 30 000 argentinos), a Grã~Bretanha, então talvez menos escrupulosa, tivesse aceitado algumas discussões sobre o tema.
Timerman prometeu que os interesses dos atuais habitantes seriam protegidos sob administração argentina, nomeadamente "o seu estilo de vida, língua, e o direito de permanecerem cidadãos britânicos".
Nesta declaração parece haver um dado importante: a conciliação entre os pressupostos do Direito Internacional e o princípio do respeito pelos direitos dos habitantes, independentemente de se considerar que lá se encontram legitimamente ou não. A aplicação deste princípio pode precipitar a resolução de outros casos semelhantes, ainda que não iguais, à disputa sobre as Malvinas. Penso em Gibraltar, Olivença, Ceuta, e Melilla, embora haja ainda outros. Pode estar aqui um vislumbre de soluções honrosas para todas as partes envolvidas... e para que se eliminem estes focos de tensão constante ou periódica, agitados em situações mais delicadas. Uma contribuição para a Paz, portanto!!!

Estremoz, 6 de Fevereiro de 2013
Carlos Eduardo da Cruz Luna

Comentem entrada

.Que horas são?

.Rádio Olivença

.Procurem neste blogue

 

contador de visitas blog

.entradas recentes

. Dicionário estremenho a s...

. Mais capital, menos língu...

. A fala dos Três Lugares e...

. Eduardo Machado (Além Gua...

. Reportagem em revista fra...

. A "fala" de Cáceres: exem...

. Clube de leitura em portu...

. Português oliventino (201...

. "Viagem pela Raia" (Públi...

. Manifesto pelos 800 anos ...

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Palavras-chave

. todas as tags

.ligações

Pesquisa no e-Estraviz

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Que horas são?

blogs SAPO

.Participem

. Participem neste blogue

.Subscrever fontes