Quinta-feira, 15 de Agosto de 2013

Morreu o crioulo português de Cochim! Em breve será o oliventino a morrer

Morreu o Crioulo Português de Cochim

Colocado por em Set 26th, 2010 na(s) categoria(s) Fotos, Língua, Videos. Pode seguir todos os comentários a este texto através de RSS 2.0. Pode comentar ou fazer trackback deste texto

 

Poucas pessoas sabem da morte recente de uma língua em Cochim: Crioulo Português de Cochim. O pesquisador Dr. Hugo Canelas Cardoso lamenta a morte deste idioma.

 

Tal como as pessoas, as línguas também morrem. Com a morte de William Rosário no passado mês de Agosto em Vypeen, morreu também o Crioulo Português de Cochim. Rosário foi o último orador fluente desta língua, resultado do contacto entre Malayalam, Português e, provavelmente, um grande número de línguas faladas pelas diferentes comunidades em Cochim antigo, que era uma mistura de muitas culturas e muitas línguas.

a_portugues3.jpg As línguas minoritárias estão a extinguir-se a uma taxa alarmante. Os linguistas acreditam que uma língua indígena desaparece a cada duas semanas.

Portanto, o comprometimento com um idioma é uma preocupação séria, diz o Dr. Hugo Canelas Cardoso, pesquisador pós-doutorado no Centro de Investigação em Estudos Luso-Asiáticos do Departamento de Português da Universidade de Macau. Ele esteve recentemente envolvido na descrição e documentação dos crioulos Indo-Portugueses de Diu, como parte do seu doutoramento em Linguística Geral pela Universidade de Amesterdão. Durante uma das suas muitas visitas a Diu, Cardoso chegou a Cochim, onde contactou Rosário. Foi o início de uma amizade que se estendeu para além da linguagem.

 

Cardoso lembra o seu estimado amigo Rosário e lamenta a sua morte e a morte do Crioulo Português de Cochim, uma língua materna falada por muitas famílias desde há cinco séculos. Numa entrevista por email, da qual apresentamos alguns excertos, Cardoso partilha os seus pensamentos sobre as linguagens, o amigo Rosário e o impacto da sua morte.


Sobre William Rosário

 

William Rosário cresceu numa fazenda em Wayanad mas as origens da sua família são Cochim e Cananor, pelo que a sua língua materna era o crioulo. Ele disse-me que, na infância, esta era a única língua falada em sua casa e pelo resto da extensa família. Em 2007, enquanto eu estava em Diu, fiz uma curta viagem a Kerala. Na época, vários membros da comunidade Indo-Portuguesa em Fort Cochim disseram-me que Rosário era o último orador fluente do crioulo na área de Cochim, por isso eu visitei-o na sua casa em Vypeen. Era um homem extremamente generoso e afável, e ficou muito feliz por poder falar a sua língua-mãe de novo; a última vez que o praticou tinha sido com o seu amigo Paynter, falecido alguns anos antes. Fiquei extremamente sensibilizado com o calor com que era sempre recebido por Rosário e restante família. Na última vez que o visitei, no passado mês de Janeiro, Rosário concordou em passar algum tempo ensinando-me a língua.


Porque é que a língua não passou para os descendentes?

 

No caso específico da família de Rosário, pode ter tido a ver com o facto de que a sua esposa não a fala, mas penso que, naquela época, o uso do Crioulo Português de Cochim já estava em declínio. O processo de abandono da língua, a nível comunitário, deve ter começado há muito tempo. As línguas são centrais para a identidade de cada comunidade, mas só sobrevivem a longo prazo se houver domínios da vida quotidiana em que possam ser utilizadas: no trabalho, na educação, na religião, etc. Eu acredito que o uso do Crioulo Português de Cochim pela comunidade católica foi gradualmente invadido por outros idiomas, o que originou uma quebra na transmissão do crioulo de pais para filhos.


Sobre o Crioulo Português de Cochim

 

Quando o idioma Português chegou à Ásia, em fins do século XV, entrou em contacto com as línguas locais, dando origem a uma série de novas línguas, uma vez que pontilhavam a costa da Índia, Sri Lanka e outras paragens. Tais linguagens, nascidas do contacto intenso entre duas ou mais línguas, são o que os linguistas chamam de crioulos. Em Cochim, o caldo linguístico envolvia Malayalam, Português e, provavelmente, um grande número de outras línguas faladas por várias comunidades locais. Como esse foi o primeiro local onde o Português estabeleceu uma presença estável no Sul da Ásia, é geralmente aceite que o Crioulo Português de Cochim seja o mais antigo de todos os Crioulos Indo-Portugueses a ser formado. Sendo assim, terá certamente determinado, em certa medida, o desenvolvimento de outras variantes. Essa linguagem, desenvolvida paralelamente à formação de famílias católicas e Indo-Portuguesas, foi vital no momento em que os holandeses assumiram o controlo de Cochim, tendo prosperado sob a nova administração.


Características da linguagem

 

Em termos gerais, muitas das palavras do Crioulo de Cochim são de origem Portuguesa, mas a gramática é muito diferente e reflecte a influência do malaiala. Por exemplo, onde o Português (tal como o Inglês) tem preposições, o Crioulo de Cochim tem posposições, que aparecem depois do verbo. E há também uma forte tendência para colocar o verbo no final da frase, que é contrário à gramática de Português mas não à do malaiala. O sistema verbal funciona de maneira diferente, e há também diferenças marcantes na formação das palavras e até mesmo nos sons das duas línguas. Mesmo sendo localmente conhecido simplesmente como “Português” ou “Português de Cochim”, este crioulo é na realidade uma nova linguagem autónoma, que deve muito ao Português, como acontece com outras línguas da Índia. Este crioulo foi a língua de grande parte da população de Cochim durante cinco séculos. Era um monumento a um período crucial da história da cidade.


Será que a morte das línguas tornou-se frequente?

 

As línguas surgem e desapareceram ao longo da história, é um processo natural, mas há algo no mundo moderno que está a fazer com que as línguas morram a uma taxa sem precedentes. Portugal, uma vez que é o lar de imensa diversidade linguística, também tem sofrido alguns desses desaparecimentos. No início deste ano, por exemplo, a morte de uma mulher de 80 anos nas ilhas Andaman marcou o fim da linguagem Bo.


Torná-mo-nos insensíveis à história, ao património inestimável?

 

Eu não diria que nós nos tornámos totalmente insensíveis; na verdade, quando se passeia por Cochim encontram-se muitos casos exemplares de preservação do património. Mas eu sinto que nós não damos a mesma atenção a todos os tipos de património. As linguagens, bem como outros tipos de património cultural imaterial, são muitas vezes negligenciadas, em comparação com heranças construídas, por exemplo. Por outro lado, existe sempre o perigo da preservação selectiva com base em convicções políticas ou ideológicas. E assim, ouso dizer, tudo o que seja percebido como tendo alguma ligação com o colonialismo estará em desvantagem na Índia actual. No entanto, o país desperta para o problema da extinção das línguas, como se verifica em algumas iniciativas do governo para documentar as línguas indígenas, o que é muito positivo. Mas seria importante para o público e para as autoridades perceber que os Crioulos Indo-Portugueses – ainda falados em lugares como Diu, Damão, Korlai ou Cananor – não são línguas estrangeiras. Pelo contrário, elas são, por definição, línguas da Índia e exclusivas da Índia.

 

 

Fonte: The Hindu – 26/09/2010


Fonte: http://www.hojelusofonia.com/morreu-o-crioulo-portugues-de-cochim/

 

Sentimo-nos: morrer
Música: fúnebre
Publicado por AG às 15:22
Ligação da entrada | Comentem | Adicionem aos favoritos
|  O que é? | Partilhári

.Hora solar de Olivença

.Procurem neste blógui

 

.Que horas são?

Hora oficial:

.Contadôri


contador de visitas

.Entradas recentes

. A fala (galegoportuguesa)...

. "O rei leão" em asturiano

. "Ruas e aldeias de Oliven...

. Ruas bilingues em Táliga?

. Nacionalidades também em ...

. Mirandês na escola (2017)

. Olivença e a Raia na TVE ...

. Limpeza da ermida de Noss...

. Língua quíchua, mais ensi...

. O asturiano em 2017

.Arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Palavras-chave

. todas as tags

.Ligações

.Dicionário galego-português

Pesquisa no e-Estraviz

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.Participem

. Participem neste blógui

.Contadôri

.subscrever feeds