Sexta-feira, 10 de Outubro de 2008

O elefante da ponte

Sempre gostei de caminhar além Guadiana, junto à velha ponte manuelina da Ajuda, um lugar que sinto a estranha necessidade de reencontrar uma e outra vez. A ponte truncada, as pedras de xisto desgastadas pela passagem milenária da água procurando o mar e os juncos que beijam a beira fazem parte daquela paisagem dormida há muitos anos.

Naquela tarde de Verão passeava com a minha família. Nenhuma alma mais na tranquila paragem do Guadiana. A noite estava próxima e, ao fundo, podíamos ver a silhueta da ponte com o Sol a pôr-se ao fundo. Olhávamos comprazidos aquela magnifica cena quando o meu filho fez-me uma pergunta surpreendente: “Papá, ¿qué hace aquel elefante en lo alto del puente?”. “El elefante… ¿qué elefante?, perguntei-lhe com estranheza.  “Aquél, aquél”, contestou-me apontando para o alto da ponte.

 

Observei–o de novo e foi então quando… sim!, adivinhei a sua silhueta recortada pelo céu laranja do entardecer. Ali estava aquela grande figura desenhada –quem diria casualmente– pela torre derrubada da ponte. Expliquei-lhe então que não se tratava de um elefante mas sim de uma velha ruína que enganava os olhos.  Porém, ele, muito seguro da sua percepção, quis-me sacar do meu erro e replicou-me, sem concessão à dúvida, “Que no, papá, ¿no lo ves?. Respondi-lhe de maneira afirmativa para não defraudar a sua ilusão e disparei, com a minha câmara fotográfica, para levar uma lembrança daquela curiosidade.

 

Continuámos o passeio. A conversa com o meu filho mudou para outras coisas: os peixes que saltavam junto à beira, as formigas que levavam sementes à sua despensa… Mas eu ainda estava a dar voltas àquela questão do elefante. Comecei a pensar que tal vez era ele que estava certo. Como era possível, depois de tantas caminhadas por aquele lugar, não ter descoberto o elefante?,  depois de ter observado tantas vezes as gravuras dos pedreiros, as plantas que crescem nos muros, os pequenos detalhes da ponte, não ter reparado naquele animal tão grande mesmo no meio da calçada? Pensei então que só através dos olhos de um menino é que podemos ver as coisas evidentes que os mais velhos não percebemos ou, talvez, esquecemos a maneira de perceber.

 

Na procura de alguma razão, não encontrava o sentido de um elefante naquele lugar. Nem o Guadiana é um rio da savana africana nem Aníbal escolheu rota tão estranha para a sua campanha contra Roma. Fosse como fosse, ali estava ele, com a sua presença indiscutível, quase insolente. Continuava imóvel, como se estivesse à espera de algo. Olhando para Elvas, de costas para Olivença.

 

Cheguei a pensar que já tinha encontrado a explicação daquela ponte rota: há tempo que o elefante quis passar a ponte e os arcos não puderam suportar o peso do animal, ficando assim, derrubados, para sempre. Talvez tinha a esperança, como já sucedeu após outras destruições, de ver chegar os pedreiros, instalar os andaimes e começar a fazer de novo os arcos. Mas esta vez ninguém chegou para devolver a vida à ponte, só os corvos e corujas a construir os ninhos nas feridas dela.

 

Pus também a  hipótese de aquele grande animal ser um elefante elvense que visitava a sua elefanta em Olivença, até que um dia uma grande cheia evou vários arcos da ponte e, também, qualquer possibilidade de reencontro. Que terá acontecido com ela?, terá esgotado a sua espera e encontrado algum outro companheiro naquela parte do rio?, terá esquecido já o seu amigo ou tal vez ainda conserve um pouco de saudade?.

 

Era já tarde. Vénus começava a brilhar no céu e a obscuridade apoderava-se do paisagem confundindo as formas. Um “vámonos ya” interrompeu as minhas reflexões. Caminhávamos de volta para o carro e aquela silhueta do nosso elefante começava a transformar-se num bizarro e irreal montão de pedras.  Minutos depois, a minha cabeça estava já em qualquer outro assunto quotidiano.

 

Semanas depois, tinha aquilo quase esquecido quando uma notícia me devolveu à memória a lembrança do gigante da ponte. Soube há pouco que Saramago tinha escrito um novo romance, A Viagem do Elefante, um conto sobre a historia da viagem épica de um elefante, chamado Salomão, de Lisboa a Viena. Fiquei tão surpreendido como satisfeito porque achei ter encontrado uma nova explicação da história daquele animal. Pensei que talvez aquele elefante lisboeta, na sua longa caminhada, desejou abandonar Portugal por Olivença e, ao chegar ao rio Guadiana, encontrou a ponte da Ajuda derrubada. Provavelmente ficou decepcionado e continuou ali, à espera. E, assim, ao longo de muito anos, até os nossos dias. Ninguém lhe explicou que a ponte fora destruída pelos homens, nem as complexas historias de guerras e fronteiras… mas para quê? Provavelmente o elefante nem sabia nem tinha intenções de saber destas questões, só o desejo de continuar o seu longo caminho por Olivença.

 

Propus-me então que tinha que ler esse livro, conhecer a aventura vital do protagonista e saber se, finalmente, chegou ao final da sua viagem, a Viena. Se não chegou, terei então a certeza de que o elefante da ponte da Ajuda é o nosso amigo Salomão, que ainda está ali, desconcertado. E, se fosse o caso, então escreverei ao autor para lhe dizer: “Senhor Saramago, aqui está o seu teimoso elefante. Se o deseja pode escrever uma segunda parte da historia, e começar na Ponte de Ajuda. Saiba que o seu Salomão pode finalmente cumprir o desejo de vir a Olivença, a cruzar através da nova ponte da Ajuda, e continuar a sua aventura até Viena. E, se quiser reencontrar-se com ele, talvez gostaria de acompanhá-lo na sua primeira jornada, da ponte da Ajuda até a nossa vila. Decerto que Olivença gostaria de receber a visita de duas personalidades tão invulgares”.

 

Joaquín Fuentes

 

Publicado por AG às 18:57
Ligação da entrada | Comentem | Adicionem aos favoritos
|  O que é? | Partilhári
Comentário(s):
De olivencalivre a 10 de Outubro de 2008 às 23:02
EXTRAORDINÁRIO!
Considero GENIAL a descoberta fotográfica do "elefante" na Ponte da Ajuda. O texto é também muito bonito, e está de parabéns o seu autor. A poesia não consiste só em fazer versos....
Penso que José Saramago gostará, se ainda lhe restar algum espírito crítico, de conhecer a imagem do elefante da Ponte da Ajuda. Sugiro que o autor do texto o envie, bem como à fotografia, para o Blogue dele ("info.pt@josesaramago.org ")
Carlos Luna

Comentem entrada

.Hora solar de Olivença

.Procurem neste blógui

 

.Que horas são?

Hora oficial:

.Contadôri


contador de visitas

.Entradas recentes

. Língua quíchua, mais ensi...

. O asturiano em 2017

. Pastor (Ánchel Lois Salud...

. Português cristang ou cri...

. Dia de Portugal em Oliven...

. Línguas americanas na Amé...

. Volta a língua portuguesa...

. "Tinta verde" (Vitorino):...

. Mais ruas bilingues em 20...

. Olivença através dos livr...

.Arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Palavras-chave

. todas as tags

.Ligações

.Dicionário galego-português

Pesquisa no e-Estraviz

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.Participem

. Participem neste blógui

.Contadôri

.subscrever feeds