Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009

O avô é que fala português!

Olivenza

Europa propone que los vecinos de Olivenza, en la frontera, aprendan el idioma luso
 
El abuelo es el que 'fala' portugués
HOGAR DEL MAYOR. Aquí se juega a las cartas en portugués./ RSR
 
 
En el Hogar del Mayor de Olivenza se juega a las cartas en portugués. Esta localidad pacense, situada a 11 kilómetros de La Raya, conserva la impronta de su país vecino, al que perteneció durante más de 500 años. Hace más de dos siglos que fue devuelta a la corona española, pero por la calles de Olivença (como la llaman al otro lado de la frontera) se respira aún el carácter alentejano.

A pesar de la importante huella que pervive entre los vecinos de esta localidad de casi 12.000 habitantes, son muy pocos los que hoy día saben hablar portugués. Sólo la población que supera los 75 años de edad conserva el idioma. «Son los abuelos los que conocen y entienden la lengua del país vecino. La generación siguiente nos hemos limitado a que sean los portugueses quienes nos entiendan a nosotros», asegura el alcalde de Olivenza, Manuel Cayado (PSOE).

Precisamente para fomentar que este idioma no se pierda, el Consejo de Europa propuso hace unas semanas que aquellas comunidades autónomas con 'lenguas minoritarias' desarrollen un modelo de enseñanza de «inmersión total». Europa recomienda que se tomen medidas de protección y promoción de lenguas como el catalán y el aragonés en Aragón, el bereber en Melilla, el árabe en Ceuta, el gallego en Castilla y León y, por último, el portugués en Olivenza.

Pero lo que hablan los abuelos de Olivenza, tanto en el Hogar de Mayores como en la Plaza de España y en la de Portugal (los dos paseos centrales del pueblo), es el portuñol. Así lo explican Julio Margallo, de 75 años; Reimundo Barranca, de 81; José Núñez, de 75 años; y Joaquín González, de 80. «Casi toda la gente de nuestra edad habla portugués, pero está muy mezclado con el español, por eso lo llamamos portuñol. Pero nosotros podemos entender a uno que venga de Lisboa o de más allá, por ejemplo, aunque es cierto que hay palabras a las que le hemos cambiado el significado», explican estos oliventinos. «Ni nuestros hijos ni nuestros nietos saben hablarlo. A veces los niños preguntan cosas, pero parece que no tienen mucho interés, aunque después les gusta aprender palabras nuevas. Entre nosotros hablamos a menudo en portugués, pero con nuestras familias nunca, no hay costumbre», apuntan.

Estos abuelos presumen de sus 'vestigios lusos' y muestran con orgullo, por ejemplo, el carné de afiliados al Hogar de Mayores de la vecina Elvas, la localidad portuguesa más cercana y de la que hablan con entrañable afecto.

Junto a ellos también se encuentra Antonio López, de 81 años, cuyo acento delata que procede de tierras castellanas. «Yo soy oliventino adoptado, así que no hablo portugués, pero creo que es una pena que el idioma se pierda cuando desaparezca la generación que lo habla. Lo bueno es que la gente joven del pueblo ahora hace cursos», afirma.

De hecho, son esos cursos los que están permitiendo que hoy día los habitantes de este municipio pacense se familiaricen aún más con el idioma del otro lado de la Raya. Y es esa aproximación la que Europa quiere que se potencie y proteja.

Fomento de la enseñanza

El alcalde de Olivenza asegura que, sin necesidad de que el Consejo Europeo mande ninguna recomendación -la cual se acepta de buena gana- en su localidad se llevan a cabo desde hace varios años diversos programas que tienen como objetivo conservar «el idioma de nuestros abuelos». Eso sí, se trata de una enseñanza del portugués oficial, es decir, «aquel que no está mezclado, por lo que difiere un poco del portuñol».

«El idioma se enseña como asignatura optativa en los colegios, tanto en el público como en el concertado; en el instituto y en la Universidad Popular. En el colegio público hay 630 alumnos y todos ellos dan portugués. En el concertado, el Sagrado Corazón, son 643 y dan clases de esta lengua 252. En ambos casos los profesores son nativos. En el instituto son menos los interesados, sólo 80 de los 680 alumnos que tiene, y todos ellos pertenecen a primero y segundo de Secundaria. En este caso la profesora es española», explica Manuel Cayado.

«Hay un sentimiento común por parte de mi generación de querer que nuestros hijos aprendan el idioma luso. Ya que nosotros lo hemos dejado de lado, por lo menos que ellos lo recuperen», dice el alcalde.
 
Opina

Si prefieres realizar un comentario ánonimo, primero debes desconectar tu perfil: Desconectar

* campos obligatorios
<input ... > <input ... > <input ... > <input ... > <input ... > <input ... > <input ... > <input ... >
Listado de comentarios
6 OPINIONES
05/Jan/2009 | 11:04:08

Manuel (Usuario registrado)

La ignorancia es universal. Una: en Olivenza no se habla portuñol, sino portugués alentejano. Dos: en Olivenza nunca se habló castúo, sino portugués. Tres: el portugués es la lengua de Portugal, pero también la de Olivenza. La ignorancia es gratis.
05/Jan/2009 | 10:40:53

pepebadajoz (Usuario registrado)

Es verdad, pero no solo en Olivenza, cuando yo era pequeño en los pueblo de la raya se hablaba la fala, pero ahora los jovenes solo usan en castellano, es una pena pero eso se esta perdiendo.
05/Jan/2009 | 09:32:30

INQUISIDOR

y porque en vez de potenciar y obligar a que se enseñe portugues no se obliga a que se enseñe CASTUO, no dejemos que nos vuelvan a manipular como marionetas, aqui siempre tenemos que estar como las putas, dandole gusto a los demas.
05/Jan/2009 | 09:11:27

jojo

No hay porqué infravalorar un idioma por el simple hecho de que no coincida con tus gustos personales. Todo lo que sea fomentar la enseñanza de idiomas en nuestra región es todo un logro, y más si la lengua de la que hablamos es del país más próximo a nosotros, totalmente respetable.
05/Jan/2009 | 09:02:53

manuel

evidentemente el comentario de manuel se hace desde la ciudad de badajoz, en la frontera.
 
Publicado por AG às 10:04
Ligação da entrada | Comentem | Adicionem aos favoritos
|  O que é? | Partilhári
Comentário(s):
De olivencalivre a 5 de Janeiro de 2009 às 16:47
C
O PORTUGUÊS DE OLIVENÇA(adptação de outros textos)
A História da sobrevivência da Língua Portuguesa em Olivença terá que ser feita um
dia.Mais do que sobrevivência, é uma História de Resistência, dados a pressão e os
condicionalismos vários, ainda muito mal estudados.
Em 1840, trinta e nove anos após a ocupação espanhola (1801), o Português foi proibido
em Olivença, inclusivamente nas Igrejas. O combate contra a Língua de Camões já vinha de
trás, todavia. Em 1805,as Actas da Câmara tinha começado a ser redigidas em Castelhano, o
que fizera uma vítima, digamos que um mártir: Vicente Vieira Valério. Este, negando-se a
escrever na Língua de Cervantes, teve de ceder o lugar a outro. E acabou por morrer à
mingua de recursos, personificando um drama cujo desenvolvimento se processaria, geração
Algumas elites forma aceitando o castelhano. O Português foi-se mantendo, teimosamente,
principalmente a nível popular. Numa deliciosa toada alentejana, que logo as autoridades,
vigilantes, classificaram como "chaporreo", palavra de difícil tradução (talvez
"patois"; talvez "deturpação"), que criou complexos de inferioridade nos utilizadores,
levando-os, cada vez mais, a usar a Língua Tradicional apenas a nível caseiro, dentro do
aconchego do lar, em público, quase só por distracção, ou com amigos próximos.
O hábito e o amor-próprio levavam o oliventino a, quase constantemente, "saltar" do
castelhano para o português. De tal forma que, depois de duzentos anos de pressão, ele é
entendido e falado por cerca de, pelo menos 35% da população, segundo cálculos da União
Europeia (Programa Mosaic).
Como sucede, contudo, neste casos, em qualquer ponto do Globo, o Português foi perdendo
prestígio. Não sendo utilizado nunca em documentos oficiais, na toponímia (salvo se
traduzido e deturpado), ou em qualquer outra situação que reflectisse a dignidade de um
idioma, manteve-se, discretamente, por vezes envergonhadamente. A Televisão e a Rádio
vieram aumentar a pressão sobre o seu uso e compreensão.
A Ditadura Franquista acentuou a castelhanização. Agora oficialmente, o Português era
uma Língua de quem não tinha... educação! Uma Língua de Brutos, ou, como também se dizia,
uma Língua Bárbara!
Não obstante, ela sobreviveu. Mesmo nas ruas, surgia e ressurgia, a cada
passo...raramente na presença da autoridades. Mesmo algumas elites continuavam a
conhecê-la, embora numa fracção minoritária.
Nas décadas de 1940, 1950, e 1960, era raríssimo, mesmo impossível em alguns casos,
encontrar professores, polícias, funcionários em geral, que fossem filhos da terra
oliventina, na própria Olivença. Colonizadores inconscientes, peões numa política geral
de destruição das diferenças por toda a Espanha.
Se há ironias na História, esta pode ser uma delas. Alguns desses cidadãos "importados",
com muito menos complexos que os naturais porque não tinham, quaisquer conflitos de
identidade, ou os seus filhos, puseram-se a estudar os aspectos "curiosos",
"específicos", da cultura oliventina! "Oliventinizados", por vezes até, ainda que
ligeiramente, em termos linguísticos, acabaram por produzir trabalhos de valor sobre a
cultura da sua Nova terra, que podem chamar para sempre, e sem contestações, de Terra
Mãe, por adopção, por paixão, ou já por nascimento.
A Democracia veio abrir novas perspectivas, ainda que os fantasmas não desaparecessem
de todo. Alguns cursos de Português foram surgindo, com maior ou menor sucesso. Por vezes
ao sabor de questões políticas, como durante a Década de 1990 por causa dos avanços e
recuos no atribulado processo que levou à construção de uma nova Ponte da Ajuda o
Guadiana, entre Elvas e Olivença.
Em 1999/2000 a Embaixada de Portugal em Madrid, e o Instituto
Camões, passam a apoiar o apoiar o ensino do português no Ensino Primário em todas as
Escolas de Olivença. Incluindo as Aldeias. Apenas Táliga, antiga aldeia de Olivença
transformada no Século XIX em município independente, está ainda de fora deste projecto,
para o qual foram destacados, primeiro três, depois quatro professores portugueses.
Diga-se ser urgente acudir a Táliga, onde só 10% da população ainda tem algo a ver com a
Língua de Camões. Urgentíssimo!
Está dado um primeiro e importante passo. O Estado
De olivencalivre a 6 de Janeiro de 2009 às 13:28
DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 06-Janeiro-2009 (Carta em destaque)
(com fotografia de Olivença)
EUROPA E USO DO PORTUGUÊS EM OLIVENÇA
INTRODUÇÂO (DA EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DO JORNAL; O "AUTOR" NÃO TEVE NADA A VER COM
ELA!:«RAIA: As indefinições deixadas pela História quanto à soberania de territórios
fronteiriços em diversos pontos do mundo podem ser resolvidas pacificamente, como sucede
num caso relatado por um alentejano sobre a vizinha Olivença»; repito: o autor nada tem a
ver com este texto introdutório, ele próprio uma obra-prima de texto politicamente (!?)
correcto)

O Conselho da Europa, através do seu Comité de "Especialistas", referiu, em
Estrasburgo, no dia 11 de Dezembro de 2008, e pela primeira vez, a situação da Língua
Portuguesa em Olivença e Táliga. O Comité começa por declarar que recebeu,
principalmente, por parte da Associação (oliventina) Além-Guadiana, informações pouco
satisfatórias sobre a situação actual do Português na região. Acentua ser do seu
conhecimento ser a Língua Lusa o idioma da região desde o Século XIII, e que não lhe
parece correcto que o Português seja ensinado no território dos dois Concelhos, no que só
pode ser interpretado como um apelo, no mínimo, a uma situação de co-oficialidade das
línguas castelhana e portuguesa.
É a primeira vez que o Comité do Conselho da Europa se pronuncia sobre este problema.
E, mais, faz um apelo no sentido de as autoridades (espanholas) esclarecerem a questão
(da negligência da língua autóctone, o Português), colaborando com a já referida
associação oliventina (Além-Guadiana), para que a situação se modifique. e isto sem que
se aborde nada sobre eventuais discussões de soberania, o que, à partida, evita divisões
opinativas desnecessárias. Aliás, este Comité não se "mete", digamos assim, em tal tipo
de problemáticas.
É com alguma espectativa que se aguardam reacções de alguns intelectuais, órgãos de
informação, e, por que não, entidades estatais portugueses, perante esta chamada de
atenção (digamos assim) para este problema que respeita a toda a Lusofonia (tão defendida
em diacursos oficiais e politicamente correctos), provinda de uma Instituição europeia e
supra-estatatal.
Parabéns à Cultura Portuguesa de Olivença!
Estremoz, Janeiro de 2008
Carlos Eduardo da Cruz Luna

Comentem entrada

.Hora solar de Olivença

.Procurem neste blógui

 

.Que horas são?

Hora oficial:

.Contadôri


contador de visitas

.Entradas recentes

. Cristina Branco

. Prémio "Mais Alentejo" 20...

. Defesa das portas (setemb...

. Um cadinho de fado (Joana...

. Ruas bilingues (mais imag...

. Os Acetre em Olivença pel...

. Ribeiro e Castro e Oliven...

. Nasce "Conexión Lusófona"...

. Portugal ganhou o Euro de...

. Mais sobre o dia de Portu...

.Arquivos

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Palavras-chave

. todas as tags

.Ligações

.Dicionário galego-português

Pesquisa no e-Estraviz

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.Participem

. Participem neste blógui

.Contadôri

.subscrever feeds