Sexta-feira, 4 de Setembro de 2009

Reportagem com português oliventino

 
Olivenza, un viaje fronterizo

Extremadura al Día

Laura González Andrade
03 sep 2009 
Muralla de Olivenza
Muralla de Olivenza

Olivenza, localidad situada en la mitad sur de Extremadura, a unos veinte kilómetros de la capital Badajocense, es límite fronterizo con Portugal, país al cual está ligada desde el inicio de los tiempos.



A escasos kilómetros del río Guadiana, desde sus orígenes, el término de Olivenza estuvo ligado a la reconquista de Badajoz por el rey de León, Alfonso IX, en la primavera del año 1230. Así, la Orden creó la encomienda de Oliv- entia, erigiendo un templo a Santa María y levantando un castillo. Alfonso X el Sabio desalojó a los Templarios de aquella valiosa posición en la frontera y entregó el lugar al Concejo y Obispado de Badajoz.


Más tarde, Olivenza sería cedida por Fernando IV de Castilla al rey D. Dinis de Portugal (Tratado de Alcañices, 1297).


Tras ello, D. Dinis elevó la antigua aldea castellana a la categoría de villa, reconstruyó la fortificación templaria e impulsó la colonización del término con portugueses.

El Tratado de Alcañices de 1297 fue un auténtico golpe de timón en el destino de la pequeña aldea castellana de Olivenza a la que los Templarios dotaron de personalidad histórica. De ser una escala en el eje vertical N/S Badajoz-Alconchel, pasó a ser un enclave além-Guadiana en el eje horizontal E/O Elvas-Badajoz.


Ya en 1306 D. Dinis levanta la primera muralla, un cuadrilátero con 14 torres. Su sucesor, D. Alfonso IV, las completa en 1335 con el recinto del alcázar y la torre del homenaje, la más alta de toda la frontera (35 m.)  A lo alto de aquel ojo, siempre vigilante sobre Badajoz, se accedía mediante 17 rampas que permitirían la instalación en su terraza de una pieza artillera.

 

Pero en esta ocasión no entraremos en explicar la historia de Olivenza, que ya ustedes conocen y que nos ocuparía varios capítulos, pasando por la Guerra de Restauración, la posición de Olivenza en la Guerra de Sucesión o la destrucción de Puente Ajuda.

En la actualidad, y tras muchos años de dimes y diretes, la villa oliventina es totalmente española aunque cabe destacar que aún sigue conservando la tradición lusa, pues son muchas las personas que como herencia aún hablan el idioma portugués.

 

Mais (com VÍDEO ONDE SE OUVE O PORTUGUÊS LOCAL):

http://www.extremaduraaldia.com/reportajes/un-viaje-fronterizo/85705.html

 

Publicado por AG às 15:45
Ligação da entrada | Comentem | Adicionem aos favoritos
|  O que é? | Partilhári

.Hora solar de Olivença

.Procurem neste blógui

 

.Que horas são?

Hora oficial:

.Contadôri


contador de visitas

.Entradas recentes

. Atividades diversas de 20...

. A língua basca cresce em ...

. A fala (galegoportuguesa)...

. "O rei leão" em asturiano

. "Ruas e aldeias de Oliven...

. Ruas bilingues em Táliga?

. Nacionalidades também em ...

. Mirandês na escola (2017)

. Olivença e a Raia na TVE ...

. Limpeza da ermida de Noss...

.Arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Palavras-chave

. todas as tags

.Ligações

.Dicionário galego-português

Pesquisa no e-Estraviz

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.Participem

. Participem neste blógui

.Contadôri

.subscrever feeds