Sábado, 10 de Janeiro de 2015

Joaquín Fuentes, no "Café Portugal" (28.XII.2014)

Olivença - «A chama da cultura portuguesa nunca morreu em Olivença» - Além Guadiana

Joaquín Fuentes Becerra, presidente da associação oliventina Além Guadiana, salienta a importância da aquisição de dupla nacionalidade por parte de 80 habitantes de Olivença, «algo que está a fortalecer a consciência de identidade», sublinha. Para o dirigente, «a chama da cultura portuguesa nunca morreu em Olivença. Este é um processo de reencontro dos oliventinos com a sua História». Além destes 80 cidadãos que têm agora dupla nacionalidade, há mais de 90 pedidos em análise.

 
Ana Clara | domingo, 28 de Dezembro de 2014

 

Café Portugal - Como nos explica o elevado número de pedidos de dupla nacionalidade por parte de oliventinos e qual tem sido o contributo da Além Guadiana?
Joaquín Fuentes Becerra -
Os processos de aquisição da nacionalidade portuguesa para oliventinos não são novos. Houve antecedentes de oliventinos que, nos anos 50, 60 do século passado, e até nos tempos recentes, adquiriram a nacionalidade portuguesa. Mas foram casos pontuais. O que é novo e histórico é o volume de pedidos e a existência de elementos que configuram um movimento de grande dimensão e que está a decorrer com naturalidade e de maneira muito construtiva. Este movimento não aconteceu por acaso. A associação Além Guadiana, mas também outras pessoas e entidades, têm contribuído para a valorização cultural. Actualmente está a surgir um renascimento da nossa herança portuguesa, com profundas raízes na cultura e nos sentimentos. Este facto está a fortalecer a nossa consciência de identidade. E da consciência nascem as vontades. O desejo da nacionalidade portuguesa nasce de cidadãos oliventinos e não da Além Guadiana. A nossa associação está a informar e acompanhar o processo mas o protagonista é o povo oliventino.


C.P. - Quando começou a ganhar força o actual movimento de avançar para a dupla nacionalidade?
J.F.B. -
Mais concretamente, este processo remonta há pouco mais de quatro anos, quando a associação Além Guadiana foi recebida pela Assembleia da República Portuguesa, pelo então presidente da Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, José Ribeiro e Castro. No final da audiência, fizemos-lhe uma pergunta que tinha sido pedida por parte de alguns cidadãos de Olivença: «É possível para os oliventinos a aquisição da nacionalidade portuguesa?». A resposta foi positiva na altura preferimos não tornar pública a questão. Só dois anos depois, quando a intenção dos oliventinos para obter nacionalidade portuguesa cresceu, demos os primeiros passos para canalizar vontades.


C.P. - Ao todo foram 80 os oliventinos a obter a dupla nacionalidade. Estamos a falar de quantas mulheres e homens e oriundos de que localidades?
J.F.B. -
São 80 cidadãos de Olivença e das suas aldeias, 37 mulheres e 43 homens de diferentes idades, e com várias profissões: professores, médicos, advogados, comerciantes, pedreiros, funcionários públicos, cozinheiros, taxistas, agricultores, artistas, engenheiros, empresários, reformados, e políticos, etc. São pessoas dos mais variantes meios, envolvidos num movimento transversal, que nasce de baixo, do povo, de maneira natural. Até agora as concessões da nacionalidade portuguesa correspondem a oliventinos nascidos no território histórico de Olivença. Mas foram entregues outros pedidos que estão a ser estudados e muitos outros estão a chegar. Sem dúvida, o volume de pedidos vai crescer e vai-se diversificar com pedidos de descendentes de oliventinos.


C.P. - Como olha para a importância destes pedidos e, na sua opinião, quais as principais razões por que estes cidadãos a pediram?
J.F.B. -
O significado é extraordinário e tem a ver com o valor afectivo, cultural e simbólico. Não podemos esquecer que a maior parte dos oliventinos tem antepassados portugueses. A chama da cultura portuguesa, apesar de tudo, nunca morreu em Olivença. Está viva nos edifícios, nas paisagens urbanas, na arte manuelina… mas também na cultura imaterial (tradições, memória, Língua). Cultura e sentimento configuram a palavra Identidade, que é um conceito ainda mais interessante, mais transcendente que a própria palavra Nacionalidade. Para nós, oliventinos, ter duas nacionalidades abre muitas portas; não exclui, pelo contrário, inclui; não limita, expande; não cria barreiras, elimina-as e reconcilia-nos com a nossa própria história, uma história partilhada e que é única no contexto peninsular.


C.P. - Em termos legais, foi um processo fácil?
J.F.B. -
A lei permite compatibilizar as duas nacionalidades. E a lei protege os oliventinos e os seus descendentes. A aquisição da nacionalidade portuguesa é, naturalmente, uma opção pessoal, que fica dentro das liberdades pessoais. Têm direito a ela os naturais ou descendentes do território histórico de Olivença, que inclui as aldeias de São Francisco e São Rafael de Olivença, São Domingos de Gusmão, São Jorge da Lor, São Bento da Contenda, Vila Real e antiga aldeia oliventina de Tálega, hoje concelho independente. Porém, o processo, pelo inédito em muitos aspectos possui também certas complexidades que foram ultrapassadas. Neste sentido agradecemos publicamente o carinho dado pelo Estado Português neste processo e, muito especialmente, o apoio altruísta do deputado José Ribeiro e Castro.


C.P. - Esta é mais uma forma de aproximar Olivença de Portugal?
J.F.B. -
Sem dúvida. Neste processo de reencontro dos oliventinos com a sua história, a nacionalidade portuguesa possui uma grande importância. É uma maneira de recuperar muitas ligações perdidas, de estar mais perto da sua Língua e da sua realidade social e cultural. Para nós a nacionalidade não é o fim último. É mais um elemento que configura a identidade, e que deve estar acompanhado dos necessários elementos culturais.


C.P. - Essa ligação entre Olivença e Portugal, nos dias de hoje, é forte?
J.F.B. -
Os oliventinos nunca esqueceram as suas origens. O ser português e alentejano é muito evidente em Olivença. Os monumentos, a música, as tradições, etc., expressam a marca portuguesa. A Língua de Camões, apesar de não ter tido qualquer apoio, foi mantida pelos oliventinos geração após geração. Mas infelizmente, hoje está à beira da extinção. Para além da vontade dos oliventinos, precisamos do apoio das instituições espanholas mas, também, pensamos que o Estado Português deve ter o compromisso moral de apoiar a língua e a cultura portuguesa na nossa terra. Não podemos viver de costas voltadas para a nossa história, partilhada por Portugal e Espanha. A nossa identidade é a Biculturalidade, uma biculturalidade que abrange aspectos identidários e simbólicos que revelam também um grande potencial de futuro em âmbitos como o lazer, turismo, desporto, etc. Olivença pode ser um exemplo: um bom exemplo europeu.


C.P. - No dia 26 de Dezembro, dia da apresentação pública do processo, no Hotel Palácio Arteaga, que sentimento se viveu em Olivença?
J.F.B. -
Assistiram cerca de cem pessoas. Entre elas, marcaram presença o presidente da Câmara Municipal de Olivença, Bernardino Píriz; a presidente da Câmara Municipal de Tálega, Inmaculada Bonilla; o ex-presidente da Câmara de Olivença, Ramón Rocha; o ex-presidente da Junta de Extremadura e também oliventino, Guillermo Fernández Vara; vereadores de todos os grupos políticos de Olivença; representantes de associações; oliventinos que moram dentro e fora da nossa terra e meios de comunicação de Portugal e Espanha. A sociedade local esteve bem representada e muito sensibilizada. Uma mostra do movimento de cidadania que representa a aquisição das duas nacionalidades.
 
 

 

Publicado por AG às 15:31
Ligação da entrada | Comentem | Adicionem aos favoritos
|  O que é? | Partilhári

.Hora solar de Olivença

.Procurem neste blógui

 

.Que horas são?

Hora oficial:

.Contadôri


contador de visitas

.Entradas recentes

. "Ruas e aldeias de Oliven...

. Ruas bilingues em Táliga?

. Nacionalidades também em ...

. Mirandês na escola (2017)

. Olivença e a Raia na TVE ...

. Limpeza da ermida de Noss...

. Língua quíchua, mais ensi...

. O asturiano em 2017

. Pastor (Ánchel Lois Salud...

. Português cristang ou cri...

.Arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Palavras-chave

. todas as tags

.Ligações

.Dicionário galego-português

Pesquisa no e-Estraviz

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.Participem

. Participem neste blógui

.Contadôri

.subscrever feeds