Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

ALÉM GUADIANA

Associação Além Guadiana (língua e cultura portuguesas em Olivença): Antigo Terreiro de Santo António, 13. E-06100 OLIVENÇA (Badajoz) / alemguadiana@hotmail.com / alemguadiana.com

ALÉM GUADIANA

Associação Além Guadiana (língua e cultura portuguesas em Olivença): Antigo Terreiro de Santo António, 13. E-06100 OLIVENÇA (Badajoz) / alemguadiana@hotmail.com / alemguadiana.com

Contadôri

Flag Counter

"Uma esmolinha pra a maia"...

AG, 05.05.08

Celebraram-se as Maias em Olivença. É uma tradição que está a ser recuperada.

Sobre ela, a Doutora Ana Paula Fitas, no seu Olivença e Juromenha, uma história por contar, Colibri, Lisboa 2007, pp. 341-341, diz:

Em Maio celebram-se as "Maias" (Mayas); trata-se de uma tradição popular a que se atribui origem portuguesa e que consiste em vestir uma criança de branco, adornando-a com flores, e deixá-la ir para a rua -onde se senta rodeada por outras crianças- a pedir uma moedinha aos transeuntes. Registe-se que, na margem direita, no concelho de Alandroal, este costume era usual em períodos festivos, oferecendo as crianças pequenas flores de papel para, com um alfinete, se colocar nas lapelas dos casacos, em troca de moedinhas que revertiam a favor da "Comissão de Festas". Refira-se ainda o costume das crianças, nesta altura do ano, se juntarem (principalmente as raparigas) para, com uma agulha e linha, fazerem colares e pulseiras de flores (malmequeres amarelos, silvestres) no que era uma prática social corrente entre a população juvenil das duas margens (novamente com destaque para o concelho de Alandroal). Esta tradição mantém-se porque há famílias (desfavorecidas mas não só) que persistem nesta prática e a parte significativa das mulheres oliventinas actualmente com cerca de 40 anos foi, na sua infância, "maia". É ainda interessante articular esta profusão de datas, eventos e particularismos de que ressaltam como traços comuns: a Primavera, a erradicação do sofrimento, o renascer da esperança, a união da comunidade e a fertilidade agrícola. Às referidas festas da Aldeia da Venda no concelho de Alandroal chamam-se também: "Cântico à Ordem das Oliveiras", "Festas da Santa Cruz" e "Maias".

E as maias dizem: "Uma esmolinha pra a maia, pra um pandêro, que nã tem dinhêro".
Foi organizado poro Ajuntamento de Olivença e poro Rancho Folclórico "La Encina".

http://www.ayuntamientodeolivenza.com/index2.php?id=93
http://www.corosydanzaslaencina.com/

1 comentário

Comentar post