Sábado, 7 de Outubro de 2017

"Ruas e aldeias de Olivença", livro de González Carrillo (2017)

José Antonio González Carrillo lança o seu novo livro, reflexão sobre a permanência da lembrança individual

O escritor José Antonio González Carrillo acaba de lançar o seu oitavo livro, intitulado Ruas e aldeias de Olivença - Egocídio. É um trabalho introspetivo que, com o pretexto das ruas de Olivença y das suas aldeias históricas, aprofunda no valor da lembrança individual e na sua permanência perante a predominância da memória coletiva.

01.jpg

 

 

O livro, que já está à venda, é lançado numa cuidada edição limitada e numerada onde foi mimado minuciosamente o tratamento gráfico para potenciar o caráter pessoal e intimista que se reflete em todas as páginas.

Os livros do autor, tendo sempre ampla repercussão, quer no panorama nacional, quer no internacional, receberam diferentes galardões e reconhecimentos do setor e da crítica. Hoje, e paralelamente ao lançamento desta nova publicação, González Carrillo trabalha na preparação de diversos projetos. Entre as suas publicações, aparecem títulos como Oliventinos (2005), Saudade (2006), Olivenza oculta (2009), La herencia portuguesa en las cofradías de Olivenza (2010), Almas da Magdalena (2011), Quando já não estivermos (2012) ou Matriz (2013).

Videoclipe promocional: https://youtu.be/7ud8DwZ5mM0

À venda em: www.gonzalezcarrillo.com

Setembro de 2017

 

José Antonio González Carrillo lanza su nuevo libro, una reflexión sobre la permanencia del recuerdo individual

El escritor José Antonio González Carrillo acaba de lanzar su octavo libro titulado Ruas e aldeias de Olivença - Egocídio. Un trabajo introspectivo que, con el pretexto de las calles de Olivenza y sus aldeas históricas, ahonda en el valor del recuerdo individual y de su permanencia frente a la predominancia de la memoria colectiva.

El libro, que ya está a la venta, se lanza en una cuidada edición limitada y numerada donde se ha mimado minuciosamente el tratamiento gráfico para potenciar el carácter personal e intimista que se refleja en todas sus páginas.

Los libros del autor, teniendo siempre una amplia repercusión tanto en el panorama nacional como internacional, han recibido diferentes galardones y reconocimientos por parte del sector y la crítica. En la actualidad y paralelamente al lanzamiento de esta nueva publicación, González Carrillo trabaja en la preparación de diversos proyectos. Entre sus publicaciones aparecen títulos como Oliventinos (2005), Saudade (2006), Olivenza oculta (2009), La herencia portuguesa en las cofradías de Olivenza (2010), Almas da Magdalena (2011), Cuando ya no estemos (2012) o Matriz (2013).

Bibliotráiler: https://youtu.be/7ud8DwZ5mM0

A la venta en: www.gonzalezcarrillo.com

Septiembre de 2017

 

 

REGIÓN DIGITAL:

José Antonio González Carrillo lanza su nuevo libro

https://www.regiondigital.com/noticias/portada/283130-jose-antonio-gonzalez-carrillo-lanza-su-nuevo-libro.html

 

LINHAS DE ELVAS:

José Antonio González Carrillo acaba de lançar o seu oitavo livro

https://www.linhasdeelvas.pt/noticias/actual/7726-jose-antonio-gonzalez-carrillo-acaba-de-lancar-o-seu-oitavo-livro.html

 

HOY

Olivenza, atrapados por el encanto de los detalles

Interior de la manuelina iglesia de la Magdalena. :: / Esperanza Rubio
Las 12 Joyas de Badajoz

En la ciudad, todo es simbólico y magnífico: las calles, los arcos, las iglesias y las fortalezas

J. R. Alonso de la Torre
J. R. ALONSO DE LA TORRE

Dice la leyenda que la tarta técula-mécula significa para ti, para mí, que es un símbolo del trajín histórico al que ha estado sometido Olivenza, unas veces portuguesa, otras veces española, y que la receta se la dio un huésped a la familia Fuentes en pago a su hospitalidad. Esa es la leyenda, que si no es cierta, sí que está bien contada y tiene su gracia. Más rigurosa parece la información que nos facilita José Antonio González Carrillo, estudioso de la realidad y la historia oliventinas. «Creo que esa leyenda es falsa. La técula mécula procede del convento de Flor da Rosa, en Crato. Lo de tecu-mecu… para ti, para mí, más que una metáfora de la historia de Olivenza, para Portugal, para España, parece un invento de marketing. En Portugal se conoce solo como técula», nos contaba González Carrillo. Más allá de tartas y leyendas, la historia de Olivenza empieza con la ocupación árabe, sigue con la reconquista cristiana por los templarios y continúa con su adscripción alternativa a España y Portugal hasta que en 1801 se incorpora definitivamente a lo que hoy es provincia de Badajoz.

Guiados por la formidable torre del homenaje que preside la localidad, levantada en el siglo XV, mientras que el castillo actual fue mandado construir en 1306 por el rey portugués D. Dinís, llegamos al entorno de la fortaleza y aparcamos en una amplia plaza. Accedemos a la antigua ciudad por la puerta oriental o de Alconchel y enseguida nos atrapa la gracia de las calles blancas, las casas señoriales muy bien restauradas, las plazas recoletas y agradables y los monumentos fundamentales, que se van sucediendo cada poco. El primero es la iglesia de Santa María del Castillo, que fue la iglesia matriz, o sea, madre, inicial, primera, de la Olivenza portuguesa y tiene ocho siglos de historia.

http://www.hoy.es/prov-badajoz/doce-joyas/olivenza-atrapados-encanto-20171024195225-nt.html

 

CRÓNICA DE BADAJOZ

http://www.lacronicabadajoz.com/noticias/provincia-badajoz/jose-antonio-gonzalez-edita-libro-recuerdos_275213.html

 

Publicado por AG às 08:40
Ligação da entrada | Comentem | Adicionem aos favoritos
Partilhári
Comentário(s):
De Carlos Luna a 20 de Outubro de 2017 às 23:24
DIÁRIO DO ALENTEJO (Beja), 20-Outubro-2017//QUADRO DE HONRA JOSÉ ANTONIO GONZÁLEZ CARRILLO,42 ANOS, NATURAL DE OLIVENÇA
 
QUADRO DE HONRA JOSÉ ANTONIO GONZÁLEZ CARRILLO,42 ANOS, NATURAL DE OLIVENÇA
"Tem formação na área da publicidade e desenho. Especializou-se em gestão documental e conservação histórica. Há mais de 15 anos começou a revelar “a sua experiência vital e criativa em exposições, seminários e publicações de diferentes âmbitos, obtendo ampla repercussão mediática em setores e meios especializados, tanto nacionais como internacionais”. Oliventinos (2005), Saudade (2006),  Olivença Oculta (2009), A Herança Portuguesa nas Confrarias de Olivença (2010),  Quando Já Não Estivermos (2012) ou Matriz (2013) são algumas das suas obras publicadas."
OLIVENÇA "SEM A HISTÓRIA E A IDENTIDADE PORTUGUESA NÃO FAZ SENTIDO"
«José Antonio González Carrillo lança novo livro sobre vila raiana» (FOTOGRAFIA DO AUTOR)
Ruas e Aldeias de Olivença – Egocídio, uma “reflexão sobre a permanência da lembrança individual”, é o título da mais recente obra do escritor oliventino José Antonio González Carrillo. Autor  de numerosos livros sobre aquela vila raiana, paralelamente ao lançamento desta nova publicação, trabalha na preparação de diversos projetos.        Que temas aborda em Ruas e Aldeias de Olivença – Egocídio, a sua última obra? O que pretende com a sua publicação? Ruas e Aldeias de Olivença
    – Egocídio é um livro de poesia fotográfica e de personalidade introspetiva que, com o pretexto das ruas de Olivença e das suas aldeias históricas, aprofunda o valor da lembrança individual e a sua permanência perante a predominância da memória coletiva, a globalização.  O livro é lançado numa cuidada edição limitada e numerada onde foi mimado minuciosamente o tratamento gráfico para potenciar o caráter pessoal e intimista que se reflete em todas as páginas do trabalho.
    Os oliventinos conhecem a história e o seu passado? Como olham para o “litígio”, com mais de 200 anos, entre Portugal e Espanha? E no seu entender, qual seria a solução para esse “litígio”?
   - Em Olivença há uma crescente consciência sobre a sua história, sobre o seu património material e imaterial, mas ainda é necessário aprofundar, conscientizar em todos os estratos sociais. Em  relação ao litígio territorial, cada pessoa é livre de pensar o que entender e que cada um tenha os seus próprios critérios. Pessoalmente acho que o importante é preservar e realçar a rica cultura que preserva a localidade e seus arredores. Isto é o que é importante e a chave para o futuro. Cultura e identidade.
   No seu caso concreto, o que é que preserva da herança portuguesa? E os oliventinos em geral?
   - O português oliventino é falado em Olivença por mais de sete sé- culos, a pegada de Portugal é constante nos monumentos, na gastronomia, no folclore. A localidade sem a história e a identidade portuguesa não faz sentido. O meu compromisso com a cultura de Olivença é constante, é o eixo da minha inspiração criativa, também, de outros oliventinos em diferentes áreas culturais.
   Que comentário lhe merece a questão da independência da Catalunha?
   - Prefiro não abordar essas questões complexas de natureza política, o importante para mim é a cultura, a língua, a história e a identidade do meu território e como encontro a minha inspiração criativa por causa disso. Esse é o meu compromisso pessoal, literário e artístico.  NÉLIA PEDROSA
De Carlos Luna a 21 de Outubro de 2017 às 15:16
PÚBLICO, 21 OUTUBRO 2017
Suplemento "FUGAS", página22
OLIVENÇA EM FOTOGRAFIAS E TEXTURAS
(texto, talvez, de Luís Octávio Costa)...
(sem nenhuma gravura)
(sinal "+"; significa que e uma coisa MUITO POSITIVA!)
O escritor José Antonio González Carrillo lançou o seu novo oitavo livro, que é reflexão sobre a permanência da lembrança individual., uma série de fotografias e de texturas de uma cidade fronteiriça. "Ruas e Aldeias de Olivença.Egocídio" é um trabalho introspetivo que, com o pretexto das ruas de Olivença e das suas aldeias históricas, aprofunda o valor da lembrança individual e na sua permanência perante a predominância da memória coletiva. O livro, à venda no "site" do autor, é lançado numa edição numerada e limitada a cem exemplares. Entre as suas publicações, estão os títulos "Oliventinos" (2005), "Saudade" (2006), "Olivenza oculta" (2009), "La herencia portuguesa en las cofradías de Olivenza" (2010), "Almas da Magdalena "(2011), "Quando já não estivermos" (2012) ou "Matriz" (2013).
RUAS E ALDEIAS DE OLIVENÇA . EGOCÍDIO
José António González Carrillo
Edição de autor

Comentem entrada

.Hora

Hora
portuguesa

.Procurem neste blógui

 

.Contadôri

Flag Counter

.Entradas recentes

. "A fala" em 2018 segundo ...

. Vitorino: "Saias da feira...

. Soidi (documentário sobre...

. Ruas em português em Táli...

. Missa da Madalena na TVI ...

. Olivença / Belmonte (23.I...

. I dia das línguas da Estr...

. Morreu Ricardo Farinha (a...

. Ruas em leonês em Leão (2...

. Sardo e alguerês, línguas...

.Arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Palavras-chave

. todas as tags

.Ligações

.Dicionário galego-português

Pesquisa no e-Estraviz

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.Participem

. Participem neste blógui

.subscrever feeds